O Revival do Vinil

10/05/2016

O vinil está de volta. Em todo o mundo, as vendas de discos de vinil estão no seu auge desde 1997. O que há por trás desse amor repentino pelo velho formato? Com tantas mídias digitais disponíveis, o que justifica esse amor?

O disco de vinil tem suas desvantagens. A principal delas é que você não pode levar consigo. Não é prático e, hoje em dia, temos muitas outras opções de mídias de digitais que satisfazem essa necessidade.

Felizmente, o disco de vinil sempre teve grande aprovação por proporcionar uma interação maior com a música. Algumas pessoas gostam da experiência de colocar um vinil em seu toca-discos, posicionar a agulha e apreciar com calma as melodias. O disco de vinil você pode segurar em suas mãos, olhar a capa (normalmente com uma arte impecável) e ler as letras das músicas.

Os artistas apreciam os “Bolachões” porque devido à pouca praticidade em mudar de músicas (comparado ao CD e as mídias digitais), geralmente o ouvinte é obrigado a escutar a faixa que escolheu até o final do disco, o que faz com que mais músicas do mesmo artista sejam ouvidas.

A razão principal da popularidade dos discos de vinil é sua qualidade de áudio. Diferente dos CD’s que tem uma limitação de frequências (de 20 Hz a 20Khz) os discos de vinil não têm tal limitação, dessa maneira se o toca-discos estiver ligado a um bom sistema de áudio é possível ouvir sons que foram “cortados” dos CD’s. Os graves (baixas frequências), contidos nos discos de vinil, são mais profundos e cheios, o que aumenta muito a percepção de espacialidade.

Vários formatos novos de áudio foram desenvolvidos como MP3, FLAC, AIFF, DSD, MQA, todos apresentando melhorias audíveis em relação aos seus antecessores, mas até o momento, numa comparação simples entre um bom toca discos e um player desses novos formatos, os discos de vinil continuam a surpreender e encantar a todos.

A maioria das pessoas gostam de colecionar os raros discos para conservar suas músicas históricas. E ainda existem aquelas pessoas que simplesmente prezam pelos “bons e velhos tempos”.

O disco de vinil mais vendido, segundo a Billborard, é o clássico Abbey Road, dos Beatles, de 1969. Ainda podemos encontrar discos mais atuais, como da banda inglesa, Mumford & Sons, em segundo lugar.

BillboardDessa forma, após terem sido quase extintos devido à popularidade dos CDs e posteriormente pelos serviços de músicas digitais, os discos de vinil fizeram um retorno impressionante à indústria da música. A imagem abaixo, por exemplo, mostra os dados sobre as vendas de vinil em todo o mundo de 1997 a 2014. Em 2015 eles geraram US$35 milhões em vendas, sendo que 12 milhões foram vendidos apenas nos Estados Unidos.

97 a 14A música é o combustível que move o mundo. Para quem deseja mais que ouvir música, e sim se envolver e se emocionar, os discos de vinil são imbatíveis. E, dessa forma, continuarão sendo uma prova de que a qualidade e a emoção resistem ao avanço da praticidade.

Refererência: Apresentação “For the Record” de Robert Suchy.

Categorias

Vídeos

Ver Todos

Revista

Ver Todos

Revista Som Maior - Ano 3 - Edição 8.

Destaques da Edição.
  • Rolling Stones: A banda de rock que já comemorou Bodas de Ouro com seu público.
  • Casa Cor: Home Digital faz sala em homenagem ao cineasta Cacá Diegues na primera edição do evento em Alagoas.
  • Perfil: Conheça o americano Dave Nauber, Presidente da Classé, que tem como hobbies a boa música e velejar.

Arquivos

Tags

high_end som_maior som streaming B&W Tidal Meridian spotify Apple Sim2 DAC qualidade áudio nad m17 Classé hifi hi-fi Estúdio Music